River vence Inter de virada no Monumental de Núñez

0
243

Um ótimo primeiro tempo, um mau segundo. As duas faces do Inter foram estampadas no Monumental de Núñez, na abertura das oitavas de final da Libertadores. Diante de 80 mil pessoas, o time de Eduardo Coudet saiu na frente, com o primeiro gol de Valencia com a camisa colorada, mas não resistiu à pressão do River Plate e perdeu, de virada, por 2 a 1

CONFIRA A TABELA DA LIBERTADORES

Com o resultado, o Inter terá de vencer no Beira-Rio, daqui a uma semana, por dois gols de diferença para avançar direto. Vitória por um leva aos pênaltis. Qualquer outro resultado serve aos argentinos.

Coudet repetiu o time do Inter que começou contra o Cuiabá. Aránguiz, que era dúvida, formou o meio com Johnny, De Pena e Wanderson, além de Alan Patrick. No River, Demichelis optou pela volta de Nacho Fernández ao time titular, com Solari no banco.

Os cinco minutos iniciais foram de estudo de parte a parte. O Inter tentava não demonstrar nervosismo e se ambientar à pressão. O River buscava encontrar os espaços e chegou ao ataque pela primeira vez. De La Cruz cruzou da direita, Nacho cabeceou por cima do travessão. Logo depois, em outro lance que envolveu a defesa do Inter, foi De La Cruz quem chutou, mas a bola bateu em Beltrán quando parecia ir na direção do gol.

A primeira vez que o Inter chegou à frente foi em cobrança de falta. De Pena jogou no segundo pau, Wanderson estava sozinho, mas sua conclusão de primeira saiu fraca e a defesa salvou. Aos 16, Rochet precisou defender. O Inter saiu em chutão, o River recuperou a bola e Barco lançou Beltrán. O centroavante chutou e o goleiro espalmou para escanteio.

A melhor chance colorada ocorreu aos 25. Em falta frontal, De Pena jogou para a área, Vitão ajeitou para o meio e Valencia deu bicicleta. A finalização saiu a poucos centímetros da trave.

Aos 37, o River deu susto. Em uma tabela de Beltrán e Nacho, De La Cruz apareceu na área, às costas da zaga. Mercado conseguiu chegar a tempo de ao menos atrapalhar a conclusão do uruguaio, que foi para fora.

Na última bola do primeiro tempo, a maior notícia possível para o Inter. Valencia havia sofrido falta violenta de González Pírez. Na cobrança, aos 45, Alan Patrick foi perfeito. A bola foi na altura certa e encontrou um atacante louco de fome. Valencia saltou bem e apenas torneou de cabeça, vencendo Armani, silenciando a maior parte do Monumental e fazendo delirar dois mil colorados: Inter 1 a 0.

Solari sai do banco e vira o jogo no segundo tempo

As equipes voltaram inalteradas do vestiário. O River, como era esperado, foi para o segundo tempo tentando buscar o empate imediatamente. No quarto minuto, Barco chutou, Rochet defendeu tranquilamente. 

Aos seis, porém, o goleiro uruguaio brilhou. De novo Barco, desta vez a dribles na área, bateu rasteiro. Rochet fez uma defesaça e evitou o empate. No minuto seguinte, mais uma. A jogada se desenvolveu pela esquerda, De La Cruz pegou de primeira e e o goleiro espalmou. 

O Inter não se encontrava no segundo tempo. Os lançamentos não achavam os atacantes, o time não ficava com a bola e o River pressionava. Aos 12, mais um capítulo da batalha Barco x Rochet. O atacante argentino recebeu na área e bateu de primeira. O goleiro voou e salvou.

O sufoco do River deu resultado aos 20. Solari, que tinha acabado de entrar, foi lançado. Renê errou o bote e o atacante entrou sozinho na área. Seu chute foi perfeito, no canto, sem chances para Rochet: 1 a 1.

Coudet começou a trocar e tentar reequilibrar o jogo. Em um primeiro momento, tirou Wanderson e Bustos, colocou Igor Gomes e Campanharo. Sem resultado, trocou Valencia e Aránguiz por Rômulo e Luiz Adriano. 

O River seguia martelando. Barco, mais uma vez, bateu de longe, com efeito. Rochet defendeu de novo. Logo depois, Aliendro mandou de primeira, da intermediária, e a bola roçou na trave, para fora.

Era pressão demais. Aos 33, o River alcançou a vitória. Novamente com Solari. Em um chutão para cima, o Inter não conseguiu ficar com a bola. Beltrán pegou a sobra e lançou o atacante em velocidade. Na cara de Rochet, teve tranquilidade para tirar do goleiro e fazer o 2 a 1.

No final, Coudet ainda colocou Pedro Henrique no lugar de Alan Patrick. Mas o River pelo primeiro tempo e o Inter, pelo segundo, ficaram satisfeitos. A decisão é no Beira-Rio. Resta ver se o Inter voltou vivo.

LIBERTADORES — OITAVAS DE FINAL (IDA) — 1/8/2023

RIVER PLATE (2)
Armani; Casco, González Pírez, Paulo Díaz e Enzo Díaz; Enzo Pérez (Solari, 18’/2ºT), Aliendro, Barco, Nico de la Cruz (Simon, 41’/2ºT) e Nacho Fernández (Palavecino, 35’/2ºT); Beltrán (Matías Suárez, 41’/2ºT). Técnico: Martín Demichelis

INTER (1)
Rochet; Bustos (Campanharo, 22’/2ºT), Vitão, Mercado, Renê; Johnny, Aránguiz (Rômulo, 28’/2ºT), De Pena e Wanderson (Igor Gomes, 22’/2ºT); Alan Patrick (Pedro Henrique, 41’/2ºT) e Enner Valencia (Luiz Adriano, 28’/2ºT). Técnico: Eduardo Coudet

GOLS: Valencia (I), aos 46 minutos do primeiro tempo; Solari (R), aos 20 e 33 do segundo;
CARTÕES AMARELOS: Nacho Fernández, González Pírez; Bustos, Mercado, Aránguiz, Johnny, Pedro Henrique;
LOCAL: Monumental de Núñez, Buenos Aires;
PÚBLICO E RENDA: não divulgados;
ARBITRAGEM: Jesús Valenzuela, auxiliado por Jorge Urrego e Tulio Moreno (todos da Venezuela). VAR: Juan Lara (do Chile).

PRÓXIMO JOGO
SÁBADO, 5/8 — 18H30MIN
INTER X CORINTHIANS
BEIRA-RIO — BRASILEIRÃO (18ª RODADA)

Por GZH / Imagem: Reprodução TyC Sports