PF combate fraude em licitações e desvio de dinheiro no Maranhão

0
48
© Divulgação/Polícia Federal

A Polícia Federal (PF) deflagrou hoje (1º) uma operação contra uma organização criminosa voltada para promover fraudes em licitações, desvio de recursos públicos e lavagem de dinheiro, envolvendo verbas federais da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf). Os policiais cumprem 12 mandados de busca e apreensão – expedidos pelo Supremo Tribunal Federal (STF) – nas cidades de São Luís, Vitorino Freire e Bacabal, no Maranhão.

Segundo a PF, também estão sendo cumpridas medidas cautelares como afastamento de função pública, suspensão de licitações e vedação da celebração de contratos com órgãos públicos, bem como ordens de indisponibilidade de bens.

“A investigação, iniciada em 2021, teve a sua primeira fase ostensiva deflagrada em 20/7/2022 (Operação Odoacro), e a segunda em 5/10/2022 (Operação Odoacro II). A presente fase alcança o núcleo público da organização criminosa, após se rastrear a indicação e o desvio de emendas parlamentares destinadas à pavimentação asfáltica de um município maranhense”, informou a Polícia Federal.

Os investigados poderão responder por fraude a licitação, lavagem de capitais, organização criminosa, peculato, corrupção ativa e corrupção passiva.

Emendas parlamentares

Batizada de Benesse, a operação, de acordo com a polícia, indica que a liderança da organização criminosa utilizava emendas parlamentares para aumentar o seu patrimônio. A PF não divulgou o nome dos investigados.

Em nota, a Codevasf disse que colabora com o trabalho das autoridades desde a primeira fase da operação e que, após apurações e conclusão de processo na sua corregedoria, demitiu um funcionário no mês de agosto.

“A Companhia mantém compromisso com a elucidação dos fatos e com a integridade de suas ações – e continuará a prover suporte integral ao trabalho das autoridades policiais e da Justiça”, informou a Codevasf.

Edição: Kleber Sampaio

Fonte: Luciano Nascimento – Repórter da Agência Brasil – Brasília
Crédito de imagem: © Divulgação/Polícia Federal