Crianças e adolescentes com deficiência experimentam atividades paradesportivas em Festival Paralímpico em MT – SECEL

0
130

“Essa é uma janela de oportunidades para crianças com deficiência aprenderem no esporte, saírem de casa e aproveitar ao máximo as atividades propostas para eles”, é como o secretário de Cultura, Esporte e Lazer de Mato Grosso, Jefferson Carvalho Neves, define o Festival Paralímpico 2023 realizado pelo Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), com apoio e suporte do Governo do Estado através da Secel.

O secretário participou do evento em Cuiabá, realizado neste sábado (23.09) na Escola Arena nas dependências do estádio Arena Pantanal. Essa é a segunda edição do festival neste ano.

“É uma atividade planejada pela nossa equipe ao longo do ano e que hoje a concretizamos. A gente vê o avanço do paradesporto em Mato Grosso quando começa com o Centro de Referência Paralímpico em um município, e atualmente ele está espalhado pelo estado”, pontuou Jefferson.

Outras seis cidades também receberam o Festival neste sábado, sendo Barra do Garças, Brasnorte, Canarana, Cáceres, Rondonópolis e Várzea Grande.

Realizado em todos os Estados do país, a iniciativa oferece vivências em modalidades paralímpicas a crianças e jovens que tenham entre 7 e 17 anos. A experimentação paradesportiva também é uma possibilidade para aqueles que não tem deficiência, desde que estejam na mesma faixa etária, e podendo chegar a 20% dos participantes.

A presidente do Conselho Estadual da Pessoa com Deficiência, Jandira Andrade, esteve no local e disse que o esporte é uma das principais ferramentas de inclusão.

“Esse espaço de convivência esportiva onde a gente vê alunos com e sem deficiência e seus familiares é um movimento de suma importância. Por meio do esporte, podem sair daqui hoje valiosos esportistas que vão lutar e representar nosso Estado e, quem sabe, o Brasil no cenário mundial”, afirma a presidente.

Mãe de Luiz Gabriel de 17 anos, que tem síndrome de down, Renata Duarte fala sobre a importância da interação do filho com as pessoas que não tem deficiência.

“É bom que ele tenha essa interação e se sinta incluído na sociedade. A prática esportiva ajuda a desenvolver e ele ama esporte, ama futebol e ter a possibilidade de ter o contato com outros tipos de modalidade é fundamental. Hoje, ele conheceu o tênis de mesa e o arco e flecha, e pelo jeito amou. Está curtindo ao máximo”, afirma Renata.

O voluntário Erison Ronaldo, técnico da Associação Arco e Flecha Cuiabá, contemplada pelo programa Pontos de Esporte e Lazer destaca o trabalho do Estado em organizar ações que incentivam o esporte adaptado.

“Tanto o apoio do poder público em eventos como esse, quanto por meio de editais é de tamanha importância, porque a gente vê a necessidade dessas crianças estarem praticando esporte e se integrando na sociedade. Com esses incentivos conseguimos avançar e trazer mais participantes e resultados para o nosso Estado”, ressalta Erison.

A programação contou com vivências nas modalidades paralímpicas de atletismo, basquete em cadeira de rodas, badminton, tênis de mesa e vôlei sentado.

Festival Paralimpico

Em 2023, o Festival Paralímpico está sendo realizado em duas etapas, sendo que a primeira ocorreu em maio e reuniu mais de 21 mil participantes em todo o país. A edição realizada em setembro faz referência ao Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência (21.09) e ao Dia Nacional do Atleta Paralímpico (22.09).

 

Fonte: Amanda Monteiro Secel-MT