Nova Mutum : Homem perde bens e a família em jogos virtuais

0
54

O vício em jogos de azar tem causado sérios danos às famílias, não apenas financeiramente, mas também emocionalmente. Testemunhos revelam histórias de vidas destruídas pelo poder devastador dessa adicção.

Uma mulher que entrou em contato com nosso site relatou a experiência traumática que vivenciou com seu ex-marido. Ele trabalhava em uma importante empresa de máquinas agrícolas, mas, influenciado pela ilusão de ganhos fáceis, abandonou sua carreira para viver dos lucros dos jogos de azar.

Tudo começou quando um amigo mostrou o jogo e ele colocou 200 reais na plataforma. No primeiro dia ele ganhou mais de R$ 3 mil, no segundo dia R$ 450 e assim foi por uns 4 dias. Fizemos o balanço e ele tinha faturado mais de R$ 5 mil naquela semana. Foi então onde veio a ideia de pedir conta do trabalho e viver disso.” contou ela.

O cenário se tornou ainda mais grave quando ele decidiu investir todas as suas economias, incluindo o acerto de sete anos de serviço, na plataforma de jogos. Em menos de duas semanas, a soma de aproximadamente R$ 20 mil reais foi inteiramente perdida.

Para tentar recuperar o dinheiro perdido, ele começou a vender os bens da casa, como televisão, notebook e máquina de lavar. Até a motocicleta, que era o meio de transporte da família, não foi poupada. A esperança de um retorno financeiro como nos primeiros dias revelou-se uma ilusão, exacerbando a crise na família.

Sem mais recursos financeiros ou bens para vender, o comportamento do marido escalou para agressividade e solicitação de empréstimos de amigos e conhecidos. Desesperada e sem alternativas, a mulher decidiu deixar o lar, levando consigo sua filha de apenas seis anos de idade, na luta para proteger ambos do ambiente tóxico criado pelo vício.

Esse relato é um testemunho poderoso do impacto psicológico e social do vício em jogos. Psicólogos afirmam que a compulsão pelo jogo pode levar ao colapso total das relações familiares e ao isolamento social do viciado. A abordagem para resolver esse problema muitas vezes inclui terapia cognitivo-comportamental e suporte comunitário, destacando a necessidade de um tratamento holístico e contínuo.